Presidente do Senado defende cautela sobre PL que equipara aborto a homicídio simples: “Jamais iria direto ao plenário”

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), defendeu uma análise cautelosa sobre o projeto de lei que equipara o aborto ao homicídio simples quando realizado após a 22ª semana de gestação. Pacheco enfatizou a necessidade de o tema passar pelas comissões e ser amplamente debatido, antes de ir ao plenário.

“O que eu devo dizer é que uma matéria dessa natureza jamais, por exemplo, iria direto ao plenário do Senado Federal. Ela deve ser submetida às comissões próprias e é muito importante ouvir, inclusive, as mulheres do Senado, que são legítimas representantes das mulheres brasileiras, para saber qual é a posição delas em relação a isso”, afirmou à imprensa nacional.

O PL 1.904/2024 teve a urgência aprovada nesta semana na Câmara dos Deputados, permitindo que o texto seja votado a qualquer momento no plenário, sem precisar passar pelas comissões. A aprovação ocorreu em votação simbólica, sem registro individual dos votos dos deputados.

Pacheco destacou que não leu o texto integral do projeto e, portanto, não quis se posicionar sobre seu mérito. No entanto, ele enfatizou a necessidade de tratar um projeto dessa natureza com “muita cautela” e sugeriu que o tema poderia ser incluído na discussão da reforma do Código Penal, que já está em tramitação no Senado. Ele ainda defendeu que as legislações penais não devem ser feitas sob a influência da emoção ou de circunstâncias momentâneas.

“É muito importante ter muita razoabilidade, muita prudência e sistematização”, disse.

Rodrigo Pacheco afirmou ainda que o aborto não deve ser equiparado ao homicídio simples, ressaltando a diferença clara entre os dois crimes.

“Há uma diferença evidente entre matar alguém, que é alguém que nasce com vida, que é o crime de homicídio, e a morte do feto através do mecanismo do método de aborto, que também é um crime, deve ser considerado como crime, mas são duas coisas diferentes”, disse.

Ele defendeu a manutenção dessa diferenciação na legislação penal.

“A separação e a natureza absolutamente distintas entre homicídio e aborto, isso eu já posso afirmar, porque assim é a legislação penal e deve permanecer”, declarou.

Entenda:

No Brasil, o aborto é considerado crime, com penas que variam de um a dez anos de prisão, mas é permitido em três situações: casos de estupro, se a gravidez coloca em risco a vida da gestante, ou em casos de feto anencéfalo. Se o PL for aprovado, o aborto após a 22ª semana de gestação seria proibido, mesmo nessas situações, sob pena de prisão. O homicídio simples, por sua vez, é punido com até 20 anos de reclusão.

Pacheco ressaltou a importância de haver proporcionalidade entre os diferentes tipos de crime no Brasil.

“Se em algum momento a gente pega um crime e coloca uma pena muito elevada a ele, um crime eventualmente mais grave vai ter que ter uma pena mais elevada ainda. Isso aí não tem um caminho de solução”, concluiu.

Com PB Agora

COMPARTILHE ESSA NOTÍCIA

Facebook
Twitter
WhatsApp