Ministério Público quer detalhamento no uso do ‘fundão eleitoral’ em quatro cidades da Paraíba

Partidos e candidatos de quatro cidades da Paraíba precisarão tornar mais transparente a utilização de recursos do Fundo Eleitoral que será usado este ano nas eleições. Pelo menos essa é a ideia do Ministério Público, que expediu uma recomendação para as legendas e candidaturas nas cidades de São João do Rio do Peixe, Triunfo, Santa Helena e Poço de José de Moura, no Sertão.

O objetivo é fazer valer a legislação sobretudo na distribuição de recursos para candidaturas femininas e de pessoas negras.

“O quadro de baixa representatividade de gênero na política e que, sob o aspecto interseccional, também se reforça com uma baixa representatividade racial, ainda que exista, de acordo com os dados do censo do IBGE, uma maioria populacional de mulheres e de pessoas negras”, observa o documento.

“No julgamento da ADPF nº 738, o Supremo Tribunal Federal interpretou as regras de financiamento de campanha por meio de fundos eleitorais, e da divisão de tempo de propaganda às candidaturas negras lançadas pelos partidos políticos, vindo a estabelecer a proporcionalidade do tempo de propaganda, e que o cálculo do volume de recursos destinados a essas candidaturas seja realizado com base no percentual de candidaturas dentro de cada gênero e não de forma global”, assinala a recomendação.

Com base nisso, o MP recomendou que “ao votarem os critérios de distribuição de recursos do FEFC para candidaturas de mulheres e pessoas negras, ainda que sem desconsiderar a autonomia partidária para a seleção dos parâmetros de divisão dos recursos, o façam de forma detalhada, com a indicação dos critérios utilizados” e também “identifiquem quais serão os valores e/ou percentuais destinados a cada município, quais cargos/candidaturas serão contempladas com os recursos e quais serão os valores e/ou percentuais destinados a cada candidatura”.

A recomendação ainda ressalta a necessidade de distribuição dos recursos em tempo hábil para serem usados na campanha e “haja um mínimo de recursos destinados individualmente a cada candidatura de mulheres e pessoas negras, de forma a viabilizar condições para a realização de atos de campanha“.

Dados do TSE mostram que as eleições de 2022 registraram recorde de candidaturas negras, totalizando o percentual de 50,21% dos candidatos a todos os cargos, o que superou, pela primeira vez, as candidaturas de pessoas autodeclaradas brancas.

Ministério Público quer detalhamento no uso do 'fundão eleitoral' em quatro cidades da Paraíba

Com Jornal da Paraíba

COMPARTILHE ESSA NOTÍCIA

Facebook
Twitter
WhatsApp