Vereadores de Serra Branca denunciam Secretaria de Serviços Urbanos por suposto pagamento de “notas frias”

Camara-de-Serra-Branca

A denúncia é grave e não há comprovação de retorno à população de gastos exorbitantes com material de limpeza e construção por parte da Prefeitura de Serra Branca. Através da Secretaria de Serviços Urbanos, o município gastou em dois anos (2013 e 2014) o equivalente a R$ 472.060,40 em compras de material cuja utilização não foi comprovada e que por isso são apontadas como pagamento de “notas frias” por parte da gestão Eduardo Torreão.

A denúncia faz parte de um processo instaurado pelos três vereadores de oposição de Serra Branca junto ao Ministério Público e ao Tribunal de Contas do Estado. Segundo os parlamentares Galeguinho, Renan Mamede e Paulo Sérgio Barros, toda a população de Serra Branca é testemunha de que a Prefeitura não realiza obras há muito tempo, entretanto, comprou, não estocou e não utilizou os produtos adquiridos em lojas de material de construção do município.

Os dados foram extraídos dos balancetes oferecidos pela Prefeitura de Serra Branca na Câmara de Vereadores e há compras no mínimo absurdas. Segundo a denúncia, foram adquiridos 285 sacos de argamassa com 20 quilos cada, no entanto, não existe uma pedra de cerâmica sequer comprada. Sem nenhuma obra de grande porte de drenagem, foram comprados e pagos 3.378 metros de tubos de 100mm.

Outro dado curioso é que a Secretaria de Serviços Urbanos adquiriu 137.945 sacos de lixo de 100 e 50 litros, o que obrigaria o município a gastar por dia 377 sacos por dia, incluindo o domingo cuja coleta não é realizada. Já em relação às luvas, foram comprados 1.962 pares de luvas látex e de couro, o que seria inteligentemente impossível de serem utilizados por tão poucos funcionários lotados na Secretaria de Serviços Urbanos.

A denúncia dos vereadores ainda ressalta que as secretarias com mais prédios no município são as de Educação, Esporte e Cultura e de Saúde, no entanto, basta ver os gastos com estas, que logo se chega à conclusão que gastaram bem menos que os empenhos e pagamentos da Secretaria de Obras.

Os vereadores afirmam ainda que nas despesas dos balancetes mensais do ano 2014, não existe qualquer documento, cuja aquisição comprove a doação para pessoas carentes e ainda assim caberia a Secretaria de Assistência Social tal prestação de serviço, o que não foi realizado.

Nossa reportagem tentou um contato com o secretário de Obras, Vicente Fialho (Sousinha), para explicar os empenhos e pagamentos, mas ele não foi encontrado.

Veja abaixo a lista de material de construção e limpeza adquiridos pelo município apenas em 2014:

MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

– 51.100 (cinquenta mil e cem) tijolos de 08 furos;

– 09 (nove) milheiros de telhas de cerâmica;

– 1432 (hum mil, quatrocentos e trinta e dois) sacos de cimentos;

– 380 (trezentas e oitenta) telhas brasilit;

– 563 (quinhentos e sessenta e três) tubos de 100 mm;

– 227 (duzentos e vinte e sete) tubos de 75 mm;

– 123 (cento e vinte e três) tubos de 40 mm;

– 140 (cento e quarenta) tubos soldáveis de 20 mm;

– uma grande quantidade de ferro: (5/16) – 128 barras; (¼) – 95 barras; (3/8) – 100 barras; além de 30 kg de arame recozido e 49 kg de arame galvanizado;

– Fio: (4 mm) 79 peças; (12) 57 peças; (14) 46 peças; (2,5) 70 peças; (1,5) 03 peças, totalizando 255 (duzentos e cinquenta e cinco) pecas de fio;

– 205 (duzentos e cinco) luminárias no comércio local e 30 (trinta) em Campina Grande;

– Lâmpadas adquiridas No comércio local (Serra Branca): Mercúrio 70W V. Sódio 260 e 80W V. Sódio 360, totalizando 620 unidades;

– Lâmpadas adquiridas em Campina Grande: Mercúrio 70W V. Sódio 150 e 80W V. Sódio 455, totalizando 605 unidades;

– 82 (oitenta e duas) prs de brita;

– 285 (duzentos e oitenta e cinco) sacos de argamassa de 20 kg;

– 120 (cento e vinte) carros de mão;

– 706 (setecentos e seis)sacos de cal com 10 kg cada;

– 150 (cento e cinqüenta) pares de botas de borracha;

– 1009 (hum mil e nove) pares de uvas de couro;

– 515 (quinhentos e quinze) pares de luvas látex;

– 111 (cento e onze) cadeados;

– 108 (cento e oito) fechaduras;

– 61 (sessenta uma) caixas de descarga;

– 97 (noventa e sete) tambores plástico de 200 LTS.

– Acrescente-se ainda, que foram adquiridos 285 (duzentos e oitenta e cinco) sacos de argamassa com 20 quilos cada, no entanto, não existe uma pedra de cerâmica sequer comprada

MATERIAL DE LIMPEZA

– 2.338 (dois mil, trezentos e trinta e oito) litros de cloro;

– 2.432 (dois mil, quatrocentos e trinta e dois) unidades de 02 (dois) litros de água sanitária:

– 2.517 (dois mil, quinhentos e dezessete) unidades de 02 (dois) litros de desinfetante;

– 419 (quatrocentos e dezenove) inseticida aerosol;

– 80 (oitenta) pá, vale salientar que às pás para limpeza pública foram adquiridas junto as casas de material de construção num total de 86 (oitenta e seis);

– 438 (quatrocentos e trinta e oito) pares de luvas de látex, produto também adquirido nas casas de material de construção em número de 515 (quinhentos e quinze) pares;

– 11.069 (onze mil e sessenta e nove) pacotes de sacos para lixo, sendo 05 (cinco) unidades de 100 (cem) litros (05 x 100);

– 8.260 (oito mil, duzentos e sessenta) pacotes de sacos para lixo, sendo 10 (dez) unidades de 50 (cinquenta) litros (10 x 05).

com De olho no Cariri

Por: Junior Queiroz em 23 de fevereiro de 2016

GOSTOU? CURTA, COMPARTILHE!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *